Anúncio 1

Últimos Posts

Eu faria assim: Filme de ficção científica - O Devorador de Ossos - Capítulo 6 - Parte 3

A missão rumo a Europa se inicia e Mark já enfrenta seu primeiro desafio
                                                                                   
Na base de testes da Nasa, dentro da sala de descontaminação onde os astronautas ficam antes de embarcarem nas missões, Mark está sentado e pensativo. Além de saber que esta missão significa a culminação de todo o seu trabalho dos últimos anos e a realização do seu maior sonho de se aventurar no espaço, ele tem consciência da importância do objetivo de encontrar uma cura. Ele também imagina que o sucesso de sua missão terá impacto direto no destino de Sibelle e isso o motiva ainda mais. De repente, seus pensamentos são interrompidos por uma voz no comunicador da sala:

- Tudo pronto, coronel Sanderson? A Interceptor já está pronta e precisamos iniciar a decolagem.

Mark faz um sinal afirmativo em direção à câmera que monitora a sala de descontaminação. Depois, ele se levanta e pega o traje espacial que já estava pronto. Ele dá uma olhada no nome Sanderson costurado no traje e dá uma leve risada antes de vesti-lo. O traje é confortável e assume quase o formato do seu corpo, conferindo uma mobilidade excelente. Nas costas, uma pequena “mochila” contém todos os sistemas de suporte como oxigênio e controle de temperatura. Após vestir o traje, Mark pega o capacete e o coloca com cuidado, travando-o e ativando a iluminação interna que clareia seu rosto e mostra o brilho dos seus olhos cheios de esperança.

Assim que está devidamente trajado, Mark se dirige à porta de saída da sala e aperta o botão para abri-la. A porta se abre e revela um corredor de isolamento que leva até o cockpit da Interceptor. Mark começa a caminhar lentamente e ouve no comunicador do traje a voz de Peter:

- Mark, aqui é Peter checando comunicações.

Mark respira fundo e responde:

- Na escuta, Peter, tudo certo.

Peter continua:

- Ok, vamos lá, a Interceptor foi checada e todos os sistemas estão operacionais. O Deep-X foi colocado no compartimento de carga e ainda sobrou espaço para algumas mudas de roupa.

Mark dá uma gargalhada e retruca:

- Ótimo, já estava pensando que ia fazer a missão toda com a mesma cueca.

Mark chega a uma escada que o conduz à cabine da Interceptor. Ele entra, se senta em sua cadeira de piloto e depois aperta o botão para fechar o vidro. Ele então diz:

- Em posição.

Peter responde no rádio:

- Certo, recolhendo corredor de isolamento.

A equipe de suporte remove a cobertura de isolamento da Interceptor e o sol da manhã invade o cockpit e ofusca os olhos de Mark. O horizonte brilhoso e sem nuvens denuncia um clima perfeito para a decolagem e é um sinal positivo para Mark. Ele dá uma olhada para a antiga foto de Sibelle que já está pregada no console da Interceptor e passa a mão levemente nela enquanto fecha os olhos e se concentra para a decolagem. Logo em seguida, ele abre os olhos e diz:

- Você está pronto, “M”?

A voz tranquila do computador M.A.I.C. responde pelo comunicador da nave:

- Sim Mark, estou pronto.

Mark então respira fundo e diz:

- Ok, vamos lá.

M.A.I.C. então se comunica com a sala de controle:

- Iniciando procedimento de decolagem.

A sala de controle responde:

- Entendido, M.A.I.C. , autorização concedida.

M.A.I.C. continua:

- Ativando reator e propulsores EM-Drive.

A alavanca de controle do EM-Drive se move para a frente e a Interceptor então começa a se elevar silenciosamente da pista. Quando ela está a uma altura considerável, M.A.I.C. diz:

- Acionando as turbinas de hidrogênio.

O pedal direito se move sozinho e as turbinas são ativadas, acelerando a Interceptor que começa a se deslocar horizontalmente. O manche se movimenta para trás e a aeronave começa a subir. M.A.I.C. acelera ainda mais e diz:

- Assumindo trajetória em direção à Pioneer.

A sala de controle responde:

- Copiado, trajetória correta.

Porém, pouco depois disso, a voz de M.A.I.C. dá uma notícia preocupante:

- Ao que parece a velocidade está incorreta e a Interceptor está saindo da trajetória de encontro com a Pioneer na órbita. Meus cálculos informam que nossos parâmetros de simulação estavam incorretos porque não levamos em consideração o peso da carga.

No cockipt, Mark engole seco e começa a suar. Na sala de comando, Peter faz uma careta séria e fala sussurrando para sua equipe enquanto tampa o microfone:

- Não acredito que vocês esqueceram isso, mas podem ter certeza que eu vou achar o culpado!

Depois, ele tira a mão do microfone e fala:

- O que podemos fazer para consertar a trajetória, M.A.I.C.?

Após alguns segundos, o computador responde:

- Para corrigir a trajetória, terei que aumentar a velocidade e o ângulo de ascensão. Porém, isso quer dizer que, quando entregar os comandos para Mark fazer o acoplamento com a Pioneer, a velocidade estará muito maior do que nas simulações. Precisamos iniciar a correção agora antes que seja impossível atingir a rota desejada.

Mark nem espera a resposta da sala de controle e diz:

- Pode fazer, “M”, eu dou conta.

No rádio, Peter retruca:

- Negativo Mark, vamos abortar a missão e adiar até que possamos refazer todos os cálculos e você simular com o peso e velocidade corrigidos.

Mark então fala com a voz alterada:

- Mas assim vamos perder a janela de lançamento e atrasar muito a missão. Eu fiz inúmeras simulações em diferentes condições e consigo acoplar a Interceptor de olhos fechados. Confie em mim.

Peter sabe que o tempo para tomar a decisão é mínimo e ele decide arriscar:

- Ok, Mark. Que Deus nos ajude. M.A.I.C., pode ajustar a trajetória.

A reposta do computador vem rapidamente:

- Afirmativo, ajustando trajetória.

A velocidade da Interceptor aumenta e Mark sente uma força G imensa. Ele fecha os olhos e se concentra para tentar não desmaiar enquanto a Interceptor começa a vibrar. Alguns segundos depois, Mark abre os olhos e vê a nave já começando a deixar a atmosfera terrestre. Ele fica maravilhado com o contraste entre a escuridão do espaço e o azul da Terra em sua curvatura que toma a visão do horizonte. Porém, logo ele é acordado do transe pela voz de M.A.I.C.:

- Atenção, Mark, estamos nos aproximando da Pioneer e você irá assumir o comando manual para acoplamento em trinta segundos.

Mark começa a apertar alguns botões e coloca os pés nos pedais, a mão esquerda na alavanca de elevação e a mão direita no manche de comando. Depois, diz:

- Estou pronto, “M”.

Na sala de controle, todos ficam apreensivos e se apegam à sua fé enquanto torcem pelo melhor. Mark mais uma vez fecha os olhos e tenta relembrar todas as simulações que fez. M.A.I.C. começa a fazer a contagem regressiva e ele respira fundo antes de abrir os olhos. O computador então dá o comando:

- Interceptor em modo de navegação manual.

Mark sente o tranco nos comandos da nave e ela rapidamente sai da trajetória, mas ele consegue ajustá-la. No visor do cockpit, aparece a Pioneer com a marcação da área de acoplamento. A distância vai diminuindo rapidamente e M.A.I.C. faz um alerta:

- Sua velocidade está muito elevada.

Mark retruca:

- Eu sei, calma, já vou desacelerar. Acionando propulsores de oxigênio para manobras.

Mark então diminui a potência dos propulsores principais enquanto a Interceptor começa a desacelerar. Porém, como a velocidade estava muito alta, a nave sai novamente da trajetória desejada e começa a girar. Um alerta de perigo aparece no painel e Mark tenta corrigir com o manche. No rádio, a sala de controle se pronuncia:

- Sanderson, você está quase no ponto limite para abortar.

Mark grita com eles:

- Façam silêncio e me deixem fazer meu trabalho.

Depois, enquanto o alerta no computador fica ainda mais elevado, ele tem uma ideia e aumenta a potência de apenas uma das turbinas principais para contrabalancear o movimente de rotação. A manobra arriscada surte resultado e a Interceptor volta a ficar na posição certa para acoplamento. Mark então ajusta a velocidade e o alerta some. A figura da Pionner vai ficando cada vez maior e a Interceptor se aproxima da sua parte inferior. Ele controla com cuidado a espaçonave até que ela se encaixe perfeitamente na área de acoplamento. Depois, Mark dá um grande suspiro e diz pelo rádio:

- Acoplamento manual feito com sucesso.

Na sala de comando da Nasa, todos festejam e Mark consegue ouvir os gritos pelo rádio. Logo em seguida, a voz aliviada de Peter aparece:

- Muito bem Mark, você é o cara!

Mark dá uma risada e responde:

- Obrigado por confiarem em mim, pessoal. Agora vamos em frente!

Mark se prepara enquanto M.A.I.C. aciona o comando para acesso à Pioneer. Mark vê por sobre o vidro uma escotilha se abrindo e depois ele aciona a abertura do cockpit da Interceptor. Mark então solta seu cinto e começa a flutuar. Um grande sorriso toma conta de seu rosto pois ele finalmente se deu conta de que está no espaço realizando um sonho de infância. Enquanto ele aproveita o merecido momento de descanso, a sala de controle verifica os parâmetros da Pioneer. M.A.I.C. interrompe Mark e diz:

- Mark, assuma a posição de comando da Pionner para iniciarmos o trajeto.

Mark passa pela escotilha e depois a fecha. Na cabine de pilotagem da Pioneer, bem mais espaçosa e com duas cadeiras, Mark flutua até a posição de piloto, prende o cinto e diz:

- Estou em posição.

M.A.I.C. então fala:

- Acionando propulsores iônicos e iniciando percurso para Marte para impulso gravitacional.


Logo em seguida, a Pioneer começa a vibrar e a acelerar, deixando a órbita terrestre. Enquanto aproveita a vista belíssima do espaço, Mark está aliviado por ter superado a primeira etapa da missão, mas sabe que ainda há muito o que fazer até que possa comemorar de verdade.

Para começar a ler desde o início clique aqui

Lembrando que você pode nos acompanhar no FaceBook em https://www.facebook.com/MexidoDigital ou no twitter com @mexidodigital (https://www.twitter.com/MexidoDigital) 

Nenhum comentário