Anúncio 1

Últimos Posts

Eu faria assim: Filme medieval com dragão - Parte 3



O caminho até o pântano onde está o primeiro guardião leva alguns dias e os aventureiros têm a oportunidade de se conhecerem melhor antes da chegada. O mago permanece focado em pensar na melhor estratégia e se mostra um líder frio e insensível, nunca se preocupando com o cansaço da viagem e sempre dando ordens e apressando o grupo. Apesar de discutirem quase sempre, a princesa elfa e o anão são os únicos que conversam entre si e os responsáveis pelos poucos momentos de descontração. Kalydor permanece distante e calado, mas apesar de não gostar do estilo de liderança do mago ele não cria resistências nem conflitos que possam comprometer a missão maior e consequentemente sua chance de vingança contra Balaur. A princesa fica intrigada com a figura do guerreiro, mas as tentativas de se aproximar são sempre mal correspondidas por Kalydor, que a trata até de forma rude. O anão, no entanto, tranquiliza a princesa e diz que não é anda pessoal, apenas o jeito do guerreiro.

Ao se aproximarem do destino apontado nas escrituras, o mago os alerta que, segundo a lenda, o primeiro guardião é uma criatura traiçoeira e poderosa. Após chegar ao pântano, os aventureiros se preparam para o combate enquanto adentram a área, que vai ficando cada vez mais escura devido à vegetação fechada. Eles são atraídos pelo som de uma cachoeira até que chegam a um local aberto que revela um grande lago com uma pequena ilha no centro. Todos ficam surpresos com o local escondido e cercado pelo pântano, um lago bonito que é alimentado pela cachoeira que cai do alto de um monte elevado. 

Mesmo à distância, o mago consegue ver que na pequena ilha há uma estátua de pedra que empunha a espada sagrada da lenda. Ele então ordena que Kalydor nade até a ilha e pegue a espada antes que o guardião apareça. O anão e a princesa são contra a ideia e Kalydor também não parece à vontade, mas obedece. O grupo fica tenso e, quando o guerreiro chega à metade do caminho, todos são surpreendidos com um barulho agudo de uma criatura vindo da cachoeira. Kalydor para de nadar e fica atônito enquanto acompanha uma grande cabeça que parece ser de um dragão saindo de dentro da caverna escondida pela cachoeira. Para sua surpresa e do grupo, outras duas cabeças também aparecem e vão se projetando até revelarem a imagem assombrosa de uma hidra de três cabeças que avança em direção ao guerreiro indefeso.

O grupo demora a reagir e, mesmo na dúvida, Kalydor decide continuar nadando até a ilha. A princesa começa a atirar flechas que não causam dano ao se chocarem com as escamas duras do monstro. O mago entra em transe, retira um frasco de sua aljava e começa a conjurar algum tipo de magia. O anão vê seu companheiro em apuros e decide agir, correndo pela margem para tentar se aproximar da criatura. A hidra segue Kalydor eles chegam quase juntos na ilha, quando o monstro o ataca com uma de suas cabeças e o guerreiro só escapa porque se escondeu atrás da estátua. Enquanto a criatura permanece com o corpo na água e tentando atacar o guerreiro que está encolhido atrás da estátua, o anão se prepara para jogar seu machado, mas é interrompido pelo grito do mago que terminou de conjurar sua magia e jogou o frasco aberto no lago. De repente, todo o lago começa a se congelar a partir do ponto onde o frasco caiu, prendendo as quatro patas da hidra, que começa a se contorcer tentando se livrar. 

O mago grita para o grupo avançar e o anão corre para se aproximar e dá um grande salto, atingindo o corpo da hidra com seu machado e atraindo a atenção do monstro. A princesa aproveitou que a atenção da hidra se voltou para eles e consegui acertar uma flecha que atravessou a boca aberta de uma das cabeças da criatura, inutilizando-a. Kalydor se levanta e parte para o ataque. A cabeça do meio, maior de todas, se volta para o guerreiro e tenta atacá-lo enquanto a outra cabeça restante tenta atingir seu companheiro, mas o anão se esquiva e com um golpe rápido crava seu machado entre os olhos da cabeça, que depois de um tempo fica imóvel. A cabeça restante fica mais enfurecida e, depois de finalmente conseguir quebrar o gelo que prendia seu corpo, parte para o ataque final sobre o guerreiro. Kalydor recua vagarosamente e depois da investida da criatura se joga para o lado, fazendo com que a hidra acerte a estátua e a espada empunhada por ela atravesse sua boca. O monstro ainda se debate tentando se livrar, mas Kalydor se levanta rapidamente e salta para atacar com sua espada o pescoço e decepar a cabeça restante da hidra que, depois de alguns segundos, se contorce pela última vez e morre. O corpo imóvel começa então a brilhar e a se desfazer em uma nuvem de energia que se concentra em torno da espada e depois se dissipa em um feixe concentrado e vertical que sobe aos céus. O grupo fica maravilhado com o ocorrido e a crença na lenda se solidifica em suas mentes. 

Enquanto os demais se recuperam o mago atravessa o lago ainda congelado e pega a espada sagrada que estava na estátua. Ele se dirige ao grupo e fala que todos acabaram de testemunhar a quebra da primeira trava mágica do baú guardado por Balaur, que contém o cetro sagrado fonte do seu poder. Kalydor o questiona se poderia usar a espada, mas o mago nega e a guarda, dizendo que não podem correr o risco de danificá-la e que apenas contra Balaur o guerreiro poderá fazer uso dos artefatos sagrados. Kalydor fica descontente da postura do mago, mas permanece calado. O grupo se reúne e repousa nas proximidades enquanto cuida se suas feridas antes de prosseguirem sua jornada. Depois de enfrentarem um adversário tão assustador, suas mentes se preocupam com os desafios que os aguardam nas planícies do extremo leste do reino.

2 comentários:

  1. Parabéns pela narrativa da passagem pelo 1º guardião, a ação de todos da equipe foi muito importante para derrotar a hydra. Esse mago não engana ninguém! No final, vai se apoderar de tudo o que der poder e, quando estiver bem forte, detonará todo o grupo. Aposto nisso. Agora, kalydor: vê se deixa de ser troglodita e dê uma moral à princesa elfa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande brother! Valeu pelo comentário, que bom saber que tem alguém acompanhando a "novelinha"...hahahaha. O final eu já sei, mas não vou estragar a surpresa pra não perder "audiência"....hahahah

      Excluir